Palácio Boa Vista
Cultura, Temporada de Inverno

Campos Cultural

Programação Cultural em Campos do Jordão

O Museu Felícia Leirner, o Auditório Claudio Santoro e o Palácio Boa Vista são excelentes opções de passeio faça chuva ou faça sol.

Os três são os principais centros culturais de Campos do Jordão e oferecem diversas atividades gratuitas, como oficinas artísticas, teatro e apresentações musicais.

Clique nas imagens abaixo para conferir a programação que cada um deles preparou para a Temporada de Inverno.

Museu e Auditório

museu felícia leirner

Clique na imagem para acessar a programação de Julho

Palácio Boa Vista

Palácio Boa Vista

Clique na imagem para acessar a programação de Julho

***

 OFERECIMENTO

Logo BG 30 Anos

***

Padrão
9 primavera nos museus
Cultura

9ª Primavera dos Museus

Os museus Casa da Xilogravura, Felícia Leirner e Palácio Boa Vista, de Campos do Jordão, estão participando da 9ª Primavera dos museus. O evento é realizado pelo IBRAM (Instituto brasileiro de museus) e acontece em todo território nacional de 21 a 27 de setembro, com exposições exclusivas.

O objetivo da Primavera dos Museus é  promover os museus brasileiros com uma campanha voltada para aumentar o número de visitantes e intensificar a relação dos museus com a sociedade. E a cada ano é escolhido um tema que pauta as curadorias de cada museu. Em 2015 o tema escolhido foi “Museus e Memórias Indígenas”.

Confira abaixo a programação dos museus de Campos do Jordão.

museuss

***

A programação completa de todos os museus do país você encontra aqui.

***

OFERECIMENTO

boulevardgerneve teste______________________________________________

assinatura BG

Padrão
trilhas culturais
Cultura, Fotografia

Trilhas Culturais: Tradição valeparaibana em Campos

A cultura valeparaibana subirá a serra para uma temporada em Campos do Jordão. O projeto Trilhas Culturais que resgata as tradições do Vale do Paraíba em diferentes áreas inaugura nesta terça-feira,dia 18, uma mostra fotográfica na Casa de Cultura Prof Antonio Fernando Costella. A exposição ficará em cartaz até o dia 4 de setembro.
Visitantes na passagem da exposição pelo Taubaté Shopping. Foto: Trilhas Culturais

Visitantes na passagem da exposição pelo Taubaté Shopping. Foto: Trilhas Culturais

Trilhas Culturais é uma iniciativa da Pró-reitoria de Extensão da Unitau, em parceria com o Departamento de Comunicação Social, sob coordenação do premiado fotógrafo João Rangel e alunos da instituição. O projeto percorre o Vale do Paraíba há mais de dez anos e busca resgatar e valorizar a cultura da região. As fotos da mostra retratam a culinária, a música, a literatura e as profissões antigas do Vale, exaltando os personagens da vida real que mantém viva a nossa cultura.

 

O projeto também contempla vídeos sobre culinária:

Vale a pena conferir. A entrada é gratuita.

 

SERVIÇO
Exposição Trilhas Culturais
DATA: até o dia 04 de setembro
HORÁRIO: Seg a Sex das 9h às 17h
LOCAL: R. Brigadeiro Jordão, 1236, Vila Abernéssia

Convite Trilhas Culturais. De graça! ;)

Mais informações:

Site: Trilhas Culturais

Facebook: Trilhas Culturais

***

OFERECIMENTO

boulevardgerneve teste_______________________________________________

assinatura BG

Padrão
Verônica Câmara
Cultura

A arte de Verônica Câmara

A artista plástica Verônica Câmara está com trabalhos expostos no centro cultural Ame Campos até o final de agosto. Paulistana radicada em Campos do Jordão, Verônica é uma das artistas de maior sucesso na arte de retratar as paisagens de Campos. A artista tem trabalhos espalhados por toda a cidade. Principalmente murais e afrescos, sempre com bastante riqueza de detalhes. A fauna e a flora de Campos do Jordão retratadas por Verônica podem ser conferidas em diferentes locais como o Hotel Toriba, o Hotel Serra da Estrela, o Restaurante Vila Chã,  o Boulevard Geneve, a Inverness, a pousada Villagio d’Italia e a malharia Genève. 

Na Ame Campos a arte de Verônica está fragmentada. A exposição “Verônica Câmara – a corajosa delizadeza das formas”explora os detalhes da obra da artista. Com quadros que pinçam recortes detalhistas de suas pinturas. O que lança um olhar para a delicadeza e precisão dos traços da pintora.

veronica câmara

Obras da artista Verônica Câmara expostas na Ame Campos.

Bio da artista

Natural de São Paulo, Verônica Arruda Câmara, é radicada em Campos do Jordão e desde 1994, além de pintar telas, se dedica a Pintura Decorativa e Ilustrações. O trabalho de Verônica pode ser apreciado em diferentes hotéis, pousadas e restaurantes de Campos. Sempre com paisagens, plantas, flores e animais da região ilustrando belos murais decorativos. A artista também faz ilustrações de mapas para revistas e guias turísticos da cidade e já teve seus desenhos ilustrando rótulos de produtos tradicionais da cidade como a cerveja Baden Baden e o mel Api-Levy.

Veronica Camara

Pedra do Baú por Verônica Câmara.

SERVIÇO

Exposição: Verônica Câmara 
Local: Sede da AMECampos
R. Dr. Reid, 68 – Vila Abernéssia 
Data: de 07 a 28 de agosto de 2015
Informações: (12) 3662-2611/(12) 3662-5511

Leia também:

A arte de Verônica Câmara no Sans Souci

Ricardo Montenegro – Um flâneur a serviço da arte

***

OFERECIMENTO

boulevardgerneve teste_______________________________________________

assinatura BG

Padrão
cápsula do tempo
Cultura, História

Cápsula do Tempo é encontrada em Campos do Jordão

Trabalhadores encontraram uma cápsula do tempo durante a reforma da escultura “O Centenário”, da artista Felícia Leirner, localizada em frente da Igreja Nossa Senhora da Saúde, em Campos do Jordão. Pesquisadores, até o momento, tem atribuído a cápsula ao pintor Expedito Camargo Freire (1908-1991).

A escultura que está sendo restaurada.

A escultura que está sendo restaurada.

Segundo o curador do museu da Casa da Xilogravura, o professor Antônio Fernando Costella, a existência da cápsula do tempo já era sabida, o que não se sabia era o local onde ela havia sido enterrada. O pintor Expedito Camargo Freire provavelmente a depositou aos “pés” da escultura na ocasião das comemorações dos 100 anos de Campos do Jordão, em 1974.

A descoberta

Na última terça-feira, dia 14 de abril, durante os trabalhos de restauro da peça ‘O Centenário”, de Felícia Leirner, na Vila Jaguaribe, um dos operários responsáveis pela passagem da fiação elétrica deparou-se com um artefato de ferro, medindo aproximadamente 30cm. Então foi chamada a Secretaria Municipal de Cultura que recolheu o artefato e o identificou como uma cápsula do tempo.

A Pedra do Baú vista de Campos do Jordão, por Camargo Freire.

A Pedra do Baú vista de Campos do Jordão, por Camargo Freire.

O que tem dentro?!

O conteúdo da cápsula do tempo não foi revelado, mas especula-se que a cápsula guarda documentos e desenhos originais feitos pelo consagrado professor Camargo Freire, considerado o pintor que melhor registrou as paisagens de Campos do Jordão. Mas certeza mesmo os cidadãos e turistas de Campos do Jordão só poderão ter no próximo dia 29 de abril, quando o conteúdo da cápsula do tempo será revelado para todos durantes as comemorações do aniversário da cidade.

Update

***

OFERECIMENTO

Logo BG 30 Anos

***

Padrão
zORAVIA blog
Cultura, Rolê Econômico

Exposição Zoravia Bettiol

A artista Plástica Zoravia Bettiol está expondo sua obra no museu Casa da Xilogravura em Campos do Jordão.  Zoravia é gaúcha de Porto Alegre e há 50 anos se dedica a produção de gravuras, pinturas, desenhos, artes têxteis, arte mural e instalações. Uma arte que nunca se repete, pois a artista se recusa a copiar-se, apresentando sempre séries com técnicas novas, o que transforma continuamente sua obra. E essa mutação constante que a levou a ser reconhecida mundialmente poderá ser conferida em Campos do Jordão até o dia 27 de abril.

Exposição Zoravia Bettiol

Exposição Zoravia Bettiol

Sobre a artista

Entre 1952 e 1955 fez estudos de pintura no Instituto de Belas Artes, em Porto Alegre. Entre 1956 e 1957, estudou desenho e xilogravura no atelier de Vasco Prado (com quem foi casada durante 28 anos) e, em 1968, tapeçaria no atelier de Maria Laskiewicz, em Varsóvia, na Polônia.

Exposição Zoravia Bettiol

Exposição Zoravia Bettiol

Artista premiada, participou de importantes exposições coletivas e individuais, no Brasil e no exterior, entre as quais em Montevidéu, Punta del Leste, Washington, D.C., Praga, Varsóvia, Genebra, Lisboa, Roma, Milão, Madri, Buenos Aires, Oslo, Estocolmo e Paris.

frase

SERVIÇO:

Exposição Zoravia Bettiol – Casa da Xilogravura
Até 27/4 das 9h ao 12h e das 14h as 17h (Exceto terças e quartas)
Entrada R$ 6,00 (Idosos, professores e estudantes pagam meia)
 Av. Eduardo Moreira da Cruz, 295 – Vila Jaguaribe

***

OFERECIMENTO

boulevardgerneve teste______________________________________________

assinatura BG
Padrão
Campos do Jordão por Ricardo Montenegro
Cultura

Ricardo Montenegro: Um flâneur a serviço da arte

Hoje o blog apresenta a obra do pintor Ricardo Montenegro. Com cerca de 800 trabalhos em aquarela, Montenegro é um mestre da pintura de paisagem e em muitos de seus quadros capturou o vai e vem das ruas de Campos do Jordão. Um trabalho que encanta e impressiona pela sensibilidade como o dia a dia da cidade foi retratado pelo artista.

O Portal de Campos do Jordão. Obra de Ricardo Montenegro

O Portal de Campos do Jordão.Obra de Ricardo Montenegro.

“Uma paisagem conquista-se com as solas dos sapatos, não com as rodas de um automóvel”

William Faulkner, escritor.

No livro “Cidades para Pessoas” o arquiteto Richard Rogers no prólogo diz que as cidades – assim como os livros – podem ser lidas e que Jan Gehl, o autor do livro, entende a linguagem das cidades. Gehl é um arquiteto dinamarquês considerado atualmente o maior nome do urbanismo mundial, um especialista em criar cidades melhores. Tudo porque consegue ler a cidade. Como? Percorrendo as ruas a pé.

Todos vêem. Poucos entendem.

O pintor Ricardo Montenegro também pertence a esse clube restrito de pessoas que de fato conseguem ler as cidades. Montenegro traduz em suas pinturas o estado de espírito das cidades. Cidades estas que ele conhece bem andando e conversando com os moradores. E assim à sua maneira o pintor ajuda as pessoas a entenderem a importância de reduzirmos nos dias de hoje a marcha do “desenvolvimento” pregado nos últimos 100 anos. Para tanto, retrata cidades do interior que ainda guardam no seu dia a dia a verdadeira essência das cidades: ser um ponto de encontro.

Boulevard Geneve, Campos do Jordão-SP. Obra de Ricardo Montenegro.

Boulevard Geneve, Campos do Jordão-SP. Obra de Ricardo Montenegro.

Cidades para Pessoas

As ruas são para andar e os espaços públicos para promover a conversa entre as pessoas. Como o poeta Vinicius de Moraes ensina “A vida é a arte do encontro”. Mas o mesmo Vinicius também completa: “embora haja tanto desencontro”. Dizer que as ruas são para andar e encontrar outras pessoas parece algo óbvio a princípio, afinal desde a Grécia antiga é assim, mas no século XX essa realidade foi dando espaço para uma cultura do automóvel e de consumismo na qual as vias expressas foram tomando o lugar das pessoas e os pontos de encontro da maioria das cidades sumiram. Tudo em nome do “desenvolvimento”(olha ele aí de novo). Um tremendo desencontro.

 Vila Capivari, Campos do Jordão-SP. Obra de Ricardo Montenegro.

Vila Capivari, Campos do Jordão-SP. Obra de Ricardo Montenegro.

Ainda há tempo

E o resultado dessa mudança de comportamento são os muros mais altos de hoje em dia, as pessoas mais fechadas e menos verde. E é nesse cenário sombrio que a obra de Ricardo Montenegro lança luz sobre o problema ao retratar o quão bom e bonito é o cotidiano em cidades do interior como Campos do Jordão. Cidades onde o medo do outro ainda é menor do que o interesse pelo outro, e nas quais o bate papo nas praças, a caminhada e as áreas verdes ainda tem vez. Algo hoje distante, mas ainda assim possível para as grandes metrópoles, basta que prestemos mais atenção na obra de gente como Jan Gehl e Ricardo Montenegro.

A Torre do Boulevard Geneve. Obra de Ricardo Montenegro.

A Torre do Boulevard Geneve. Obra de Ricardo Montenegro.

“Acima de tudo, nunca perca a vontade de caminhar. Todos dias eu caminho até alcançar um estado de bem-estar e me afasto de qualquer doença. Caminho em direção aos meus melhores pensamentos e não conheço pensamento algum que, por mais difícil que pareça, não possa ser afastado ao caminhar”.

Soren Kierkgaard, filósofo dinamarquês.

Venha caminhar por Campos do Jordão você também ;D

Confira mais algumas obras de Ricardo Montenegro:

Matriz Santa Teresinha. Obra de Ricardo Montenegro.

Matriz Santa Teresinha. Obra de Ricardo Montenegro.

Igreja de São Benedito. Obra de Ricardo Montenegro.

Igreja de São Benedito. Obra de Ricardo Montenegro.

Boulevard Geneve. Obra de Ricardo Montenegro.

Boulevard Geneve. Obra de Ricardo Montenegro.

Baden Baden | Boulevard Geneve. Obra de Ricardo Montenegro.

Baden Baden | Boulevard Geneve. Obra de Ricardo Montenegro.

Vila Capivari, Campos do Jordão-SP. Obra de Ricardo Montenegro.

Vila Capivari, Campos do Jordão-SP. Obra de Ricardo Montenegro.

Estação Ferroviária da Vila Abernéssia. Obra de Ricardo Montenegro.

Estação Ferroviária da Vila Abernéssia. Obra de Ricardo Montenegro.

***

Para mais quadros de Campos do Jordão, clique aqui.

site: ateliermontenegro.com.br

flickr do artista: ateliermontenegro

facebook: www.facebook.com/AtelierMontenegro

***

 OFERECIMENTO

Logo BG 30 Anos

***

Padrão
auditorio blog
Cultura, Ponto Turístico

Auditório Cláudio Santoro: O Grande Palco de Campos do Jordão

Campos do Jordão pertence a uma seleta lista de municípios brasileiros considerados pelo Ministério do Turismo como destinos estratégicos para a promoção do turismo internacional no Brasil. Isso porque a cidade atrai muitos turistas estrangeiros principalmente pelo Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão, o maior evento de música erudita da América Latina. E o Auditório Cláudio Santoro é o grande palco onde acontece o festival.

Grandes nomes da música erudita internacional já passaram pelo palco do Auditório Cláudio Santoro como o maestro alemão Kurt Masur, a soprano neozelandesa Dame Kiri te Kanawa, os pianistas Nelson Freire, Cristina Ortiz e Arnaldo Cohen, os oboístas Albrecht Mayee Alex Klein, os violoncelistas Antonio Meneses e Marc Coppey, e os violinistas Gilles Apap e Dmitri Berlinski, entre tantos outros. E o Auditório a cada ano vem recebendo ainda mais artistas de outras áreas culturais. Grandes espetáculos de dança, teatro e música popular têm sido uma constante, o que vem consolidando o Auditório como o principal reduto cultural de Campos do Jordão.

auditorio Claáudio Santoro

O Auditório Cláudio Santoro tem capacidade para receber 814 espectadores. Sua arquitetura moderna mistura elementos rústicos com grandes paredes de vidro que valorizam a luz natural e a paisagem do entorno. E o entorno também dá espetáculo. A área externa do Auditório é ocupada pelo Museu Felícia Leirner, uma grande área verde na qual ficam expostas ao ar livre obras da renomada escultora que dá nome ao museu.

Não bastasse ter um dos palcos mais bonitos do Brasil, o pôr do sol visto do Auditório Cláudio Santoro ainda é assim.

Não bastasse ter um dos palcos mais bonitos do Brasil, o pôr do sol visto do Auditório Cláudio Santoro ainda é assim.

Localizado na região do Alto da Boa Vista, uma das regiões mais bonitas de Campos do Jordão, o Auditório Cláudio Santoro atualmente é um espaço multicultural e multiuso, com vocação para grandes eventos culturais e corporativos. Uma excelente opção para convenções e palestras, e endereço obrigatório para quem aprecia cultura e está visitando Campos do Jordão.

***

Mais informações: Site do auditório

Saiba como foi a edição de 2014 do Festival de Inverno de Campos do Jordão, clicando aqui e aqui.

***

OFERECIMENTO

boulevardgerneve teste

_______________________________________________

assinatura BG

Padrão
museu blog férias
Cultura, Natureza, Passeios

Férias no Museu!

O Museu Felícia Leirner preparou uma programação especial para as férias de janeiro. Durante todo o mês estão rolando diversas oficinas e atividades culturais voltadas para todas as idades. Oficinas de dança, percussão, mosaico e artesanato, contação de histórias, vivências, jogos e brincadeiras  estão programadas. Muitas delas ao ar livre. É, fazer arte em meio à natureza em pleno verão sem se derreter só mesmo em Campos do Jordão. Confira abaixo as datas e horários das atividades do “Férias no Museu”.

FÉRIAS NO MUSEU!!!

De 4 a 31 de janeiro

“Os Dois Lados de Felícia: Esculturas e Poesias nos Jardins do Museu”

Data: 4, 8, 11, 15, 18, 22, 25 e 29/1/2015

Nestes dias, a visita poética apresentará as obras de arte da coleção do Museu Felícia Leirner e as relacionará aos textos e as poesias criados pela própria artista. Os participantes serão levados a explorar o acervo de uma nova maneira, descobrindo uma faceta pouco conhecida da escultora.

Horário: das 14h às 17h30, em diversas sessões

“Falando em Felícia”

Data: 4, 6, 11, 13, 18, 20, 25 e 27/1/2015

Nestes dias, o público do Museu e do Auditório poderá conhecer mais sobre a vida e a obra de Felícia Leirner acompanhando uma divertida contação de histórias. Com a ajuda de alguns objetos cênicos, os  personagens e episódios da memória do local e da artista ganharão vida.

Horário: aos domingos (4, 11, 18 e 25), das 10h às 12h, em diversas sessões; às terças (6, 13, 20 e 27), das 14h às 17h30, em diversas sessões

“Conheça a História da Cidade Brincando”

Data: 6, 9, 13, 20, 27 e 30/1/2015

Durante algumas manhãs de janeiro, o público do Museu e do Auditório poderá participar de um jogo de tabuleiro gigante e que  aprenderão sobre a história de Campos do Jordão. Perguntas e desafios farão os jogadores percorrerem alguns locais e descobrirem curiosos episódios e ilustres personagens jordanenses.

Horário: das 10h às 12h, em diversas sessões

hhh

“Caça ao Tesouro Ambiental”

Data: 7, 14, 16, 21 e 28/1/2015

Nestes dias,  o público poderá conferir uma caça ao tesouro diferente, em que os tesouros são a natureza e a descoberta de novos motivos para contribuir com a preservação do meio ambiente. Ao final, os participantes serão convidados a deixar em um painel uma mensagem para que os demais visitantes fiquem atentos ao tema.

Horário: das 10h às 12h, em diversas sessões

sobrou

“Aproveitando o Que Sobrou”

Data: 7, 14, 21 e 28/1/2015

Nas quartas-feiras de janeiro, o Museu e o Auditório oferecem uma oficina de mosaicos feitos a partir da reciclagem de materiais. Os participantes poderão reutilizar itens do cotidiano na construção de novos objetos. Em uma conversa descontraída, o público será levado a compreender a importância da consciência sobre o lixo produzido e formas de reaproveitá-lo. Ao final, todos poderão deixar em um painel uma mensagem para que os demais visitantes fiquem atentos ao tema.

Horário: das 14h às 17h30, em diversas sessões

pass

“Construindo Pássaros”

Data: 8, 15, 22, 23 e 29/1/2015

Os participantes da oficina “Construindo Pássaros” poderão conhecer um pouco mais sobre as aves da fauna local para criarem, a partir de elementos da natureza (galhos e folhas secas, sementes etc.), suas representações desses animais. A atividade partirá da observação do meio ambiente local. Ao final, todos poderão deixar uma mensagem para que os demais visitantes fiquem atentos à preservação da natureza.

Horário: das 10h às 12h, em diversas sessões

10896927_840539945989826_3018842907159527054_n

“O Movimento dos Tambores: Percussão e Dança Brasileira”

Data: 9, 16, 23 e 30/1/2015

A ação, realizada pelo Museu e Auditório, que ocorrerá nas tardes de sexta-feira, tem a proposta de trabalhar um ritmo por encontro, sendo: bumba meu boi (Maranhão), coco (Alagoas), cacuriá (Maranhão), jongo (São Paulo/Rio de Janeiro), respeitando os limites e características de cada participante. Em cada aula, os alunos terão contato com a dança e com a percussão característica do ritmo, além de conhecer um pouco sobre a história e as brincadeiras folclóricas de diferentes regiões do país. O curso é continuado e as vagas são limitadas, devendo o interessado inscrever-se antecipadamente.

Horário: das 14h às 16h

10917273_840606325983188_1230891151835619307_n

“Laboratório de Desenho”

Data: 10/1/2015

Na programação, oferecida pelo Museu e Auditório, uma sequência de atividades lúdicas serão conduzidas pela artista Cristina Canepa e  levarão os participantes a desenharem e a desmistificarem essa ação, estimulando a compreensão de que todos podem se arriscar no mundo das artes.

Horário: às 11h e às 15h

 “Contos e Brincadeiras Cantadas no Jardim de Felícia”

Data: 17/1/2015

Inspirada no jardim de esculturas da artista Felícia Leirner, a educadora e contadora de história Mirela Estelles abordará a tradição oral e convidará todos a participarem ativamente do desenvolvimento das narrativas, por meio de diferentes propostas e situações, com utilização de música, objetos variados e brincadeiras tradicionais da infância.

Horário: às 11h e às 15h

 “Caixa Mágica”

Data: 24/1/2015

Na oficina, oferecida pelo Museu e Auditório, a artista e educadora Carmem de Lazari apresentará o processo artesanal da construção da imagem, conduzindo o grupo na construção de uma caixa obscura para a observação. É interessante que neste processo todas as medidas serão retiradas do corpo dos próprios participantes, dispensando o uso de réguas e tesouras.

Horário: às 10h30

“Construindo Livros de Tecido”

Data: 24/1/2015

Nesta oficina, a artista e educadora Carmem de Lazari desenvolverá uma vivência em que os participantes entrarão em contato com o mundo das publicações, experimentando todas as etapas da criação de um livro de pano: decidir o roteiro e confeccionar cada página, com base em suas referências pessoais, até a finalização do material.

Horário: às 15h

11560_840606165983204_310450494502802474_n

“Percussão, Música e Movimento”

Data: 31/1/2015

Oferecida pelo Museu e Auditório, a oficina tem como objetivo abrir um campo lúdico de aprendizado e de descontração, trazendo ampliação da percepção do ritmo, da música, dos movimentos e de  si mesmo. Momentos de coesão e cumplicidade em grupo, diversão e pequenas quebras de condicionamento para arejar o olhar e abrir espaço para novas perspectivas também fazem parte da proposta.

Horário: às 10h30 e às 15h

***

SERVIÇO

Museu Felícia Leirner  - Av. Dr. Luis Arrobas Martins, nº 1.880.
Informações e inscrições: (12) 3662-6000
As atividades são gratuitas e as vagas são limitadas
Mais informações - www.museufelicialeirner.org.br ou facebook.com/museufelicialeirner

***

OFERECIMENTO

boulevardgerneve teste

_______________________________________________

assinatura BG

Padrão
museu blog
Cultura, Passeios

Final de semana agitado no museu Felícia Leirner

O próximo final de semana promete ser movimentado no Museu Felícia Leirner.

Quem curte street art terá uma ótima oportunidade para aprender um pouco da técnica na oficina de Grafitti. A oficina, elaborada pelo grafiteiro André Prado, irá trabalhar o graffiti como meio de expressão e comunicação visual, estimulando conhecimentos estéticos e criativos do mundo da arte, bem como sua apropriação pelo mercado da publicidade, arquitetura, design e artes plásticas. Contextualizando assim a arte como uma ferramenta para transformação social e formação cultural profissional.

Já na parte prática da oficina os alunos serão apresentados aos métodos de composição de letras, desenhos e pintura, possibilitando assim um primeiro contato com a arte. Após isso a ideia é que os alunos desenvolvam trabalhos partindo do esboço no papel até a pintura a spray em painel ou parede, trabalhando imagens, tipografia e as chamadas tags, que são as assinaturas dos grafiteiros.

A atividade acontece no próximo sábado, dia 25 de outubro, e as inscrições já podem ser feitas gratuitamente pelo telefone (12) 3662-6000.

Ópera no Museu

Outra atração imperdível do museu neste final de semana é o espetáculo infanto-juvenil “A Flauta Mágica”, de Mozart, criado em 1992, pela Cia. Minaz. O espetáculo de ópera estúdio funciona como um resumo da famosa ópera do compositor austríaco, sendo apresentado em pouco mais de uma hora, e todo em português.

10387684_796959893681165_5698982063549472543_n

Ágil e colorido, o espetáculo conta com uma trilha sonora cativante executada por um conjunto de câmara (piano, violinos, viola, violoncelo, contrabaixo, flauta, clarineta, fagote, trompete e percussão), além do Coral Minaz Juvenil.

Divugação

Divulgação

As apresentações acontecem nos dias 24/10, das 14h30 às 15h45, e 25/10, das 19h às 20h15. A entrada é franca.

Supernovas – E as novidades não param quando o assunto é o Museu Felícia Leirner…

obra

Pra fechar as supernovas do museu Felícia Leirner, a boa de saideira é que agora está mais fácil chegar ao museu e ao auditório. Desde o último dia 10 a Viação da Montanha ampliou o número de linhas de ônibus que passam pelo museu aos sábados e domingos.

Confira os detalhes: http://goo.gl/si00uC

1912347_794790517231436_648408475916671445_n

 ***

Mais informações: www.museufelicialeirner.org.br

***

OFERECIMENTO

_______________________________________________

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Padrão