zen blog
Bem Estar

Refúgio espiritual em Campos do Jordão

No mundo de hoje nosso corpo e mente são facilmente degradados pela nossa autoindulgência (o consumo excessivo de bebidas, cigarros, comida) e pelo estresse do dia a dia (trabalho, trânsito, crises no relacionamento). Por isso é importante fortalecê-los para não sucumbir diante dos problemas do mundo moderno. Em vez da fuga fácil de um porre ou uma viagem sem propósito, o famoso “se perder para se encontrar”, algo que na maioria das vezes se revela apenas uma fuga, é preferível apostar em coisas mais efetivas. E uma boa solução para isso é buscar ajuda em práticas orientais.  Pois é da cultura oriental “se entender para se encontrar”, encarar os problemas em vez de fugir deles.

Refúgio espiritual em Campos do Jordão

Refúgio espiritual em Campos do Jordão

Equilíbrio

Campos do Jordão tem dois excelentes refúgios de cultura oriental para quem pretende recuperar o equilíbrio entre corpo e mente, o Krishna Shaktí Ashram e o Templo do Grande Amor.

Krishna Shaktí Ashram

Ashram para os hindus é um local entre florestas ou regiões montanhosas, voltado para instrução espiritual e a prática da meditação. E é essa a principal vocação do Krishna Shakti. Localizado em meio a muita natureza na estrada da Tabatinga (também conhecida como estrada da Minalba) o local é um centro de excelência de estudo das escrituras antigas da India e da prática da Yoga.

Krishna Shaktí Ashram - Campos do Jordão-SP

Krishna Shaktí Ashram – Campos do Jordão-SP

Além de funcionar como uma escola de Yoga no campo, o Asharm também oferece facilidades de hospedagem e alimentação, funcionando como um retiro. Um retiro no qual se respira um dos melhores ares do mundo e se convive com monges e pessoas dedicadas integralmente à missão do guru indiano Srila Bhakti Sundar Govinda Dev-Goswami Maharaj.

Krishna Shaktí Ashram - Campos do Jordão-SP

Krishna Shaktí Ashram – Campos do Jordão-SP

Templo do Grande Amor

Na região do Vale dos Mellos, mais precisamente na Estância Xinimbu, fica outro importante refúgio da cultura oriental em Campos do Jordão, o Templo do Grande Amor. Construído de maneira colaborativa o templo tem como filosofia o budismo tibetano. O Lama Michel Rinpoche é o orientador do templo que  tem capacidade para mais de 500 pessoas e cuja decoração interior reproduz a mandala da Stupa de Borobudur (maior monumento budista do mundo, localizado na Indonésia), além de contar com bonitas estátuas esculpidas por artesãos da ilha de Java.

Templo do Grande Amor - Campos do Jordão-SP

Templo do Grande Amor – Campos do Jordão-SP

Considerado o maior templo de budismo tibetano da América do Sul o Templo do Grande Amor conta com uma programação regular que atrai adeptos do budismo de todo Brasil para temporadas de meditação e ensinamentos budistas. O templo também oferece serviços de hospedagem e alimentação.Um excelente destino para quem busca refúgio espiritual e quer se conhecer melhor.

Templo do Grande Amor - Campos do Jordão-SP

Templo do Grande Amor – Campos do Jordão

#ficaadica Muitas religiões tem em comum o fato de considerarem o nosso corpo um templo, uma morada do sagrado. Daí o significado de “Namastê”, expressão utilizada nas comunidades dos dois refúgios espirituais apresentados neste post, e que significa “o Deus que habita em mim saúda o Deus que habita em ti”. Agora convenhamos, muitas pessoas andam pisando na bola quando o assunto é cuidar bem desse importante templo que nós chamamos de corpo. Por isso não hesite, caso esteja em busca de um refúgio para equilibrar corpo e mente visite Campos do Jordão.

***

Mais informações e endereços:

www.ashram.com.br

www.centrodedharma.com.br/templo-do-grande-amor

bônus: Retiro no Mosteiro São João (Irmãs Beneditinas)

***

OFERECIMENTO

Logo BG 30 Anos

***

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Padrão

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>