Reportagem, Supernovas

Campos do Jordão é o melhor destino de inverno

O jornalista carioca João de Sá, nos anos 50, eternizou o verso “Campos do Jordão, ‘jóia’ do alto da serra”, no hino oficial que compôs para a cidade. Correm pouco mais de 60 anos, o ano é 2015 e o maior jornal do país, a “Folha de São Paulo”, encerra uma elogiosa matéria, na qual Campos é apresentada como o melhor destino de inverno do país, com a seguinte frase: “A pouco mais de duas horas de São Paulo, Campos é uma pequena joia na Serra da Mantiqueira”.

Campos do Jordão - O melhor destino de inverno do Brasil.

Campos do Jordão – O melhor destino de inverno do Brasil.

Muitas coisas mudaram nos últimos 60 anos no mundo, até mesmo a palavra joia perdeu o acento, mas Campos do Jordão não perdeu o brilho e segue encantando os brasileiros. Na matéria da Folha, Campos do Jordão foi apontada como o melhor destino de inverno pelos paulistanos segundo pesquisa do prestigiado instituto DataFolha. Mas antes que os paulistanos sejam acusados de bairrismo, a matéria de saída já justifica o título “Campos do Jordão é o melhor destino de inverno”, com a constatação:

“Não por acaso, os paulistanos elegeram Campos do Jordão seu destino favorito de férias de inverno. É bom que se diga que não estamos sozinhos nessa escolha: a cidade atrai visitantes de muitas outras regiões, todos em busca do charme local e do clima europeu.”

Clique na imagem para ler a reportagem da Folha na íntegra. pS: Está recheada de dicas ;D

Clique na imagem para ler a reportagem da Folha na íntegra. PS: Está recheada de dicas ;D

Felicidade define o sentimento do Boulevard Geneve em fazer parte desse encanto que salta aos olhos de tantas pessoas. É um orgulho sem tamanho fazer parte desse brilho.  Ser um pedacinho dessa *JOIA* chamada Campos do Jordão. Que como os bons vinhos, mesmo com o passar dos anos, só melhora!

Campos de todas as estações

estações

Campos brilha em todas estações 😀

Mas fica a dica, nas outras estações do ano Campos do Jordão também faz bonito. Na primavera Campos se transforma no Jardim do Brasil. Nosso verão é ensolarado, mas fresquinho! E o outono é outra primavera, mas na qual cada folha é uma flor, tamanha a beleza da paleta de cores que o espetáculo do cair das folhas dos plátanos e dos liquidâmbares dão. Outono, inverno, primavera ou verão. Campos do Jordão brilha em qualquer estação. ;D

***

OFERECIMENTO

boulevardgerneve teste_______________________________________________

assinatura BG

Padrão
Passeios, Reportagem

Boulevard Geneve – O lugar mais charmoso de Campos do Jordão

O filósofo suíço Alain de Botton no livro “A Arquitetura da Felicidade” pontua que a arquitetura não nos proporciona apenas refugio físico, mas também psicológico. Botton também afirma que a nossa identidade está inevitavelmente associada ao lugar em que vivemos, e junto com ele se transforma.

A reflexão do filósofo sobre a influência da arquitetura em nossas vidas serve de ponto de partida para entendermos o apelo e apreço do Boulevard Geneve junto aos turistas e moradores de Campos do Jordão.

Poderia a arquitetura influenciar na vida das pessoas? Nós do Boulevard Geneve acreditamos que sim!

Poderia a arquitetura influenciar a vida das pessoas?
Nós do Boulevard Geneve acreditamos que sim!

Inaugurado em 1985 o Boulevard Geneve é um marco histórico da cidade. A obra antecedeu o boom turístico do final dos anos 80 e marca a transição do potencial turístico de Campos do Jordão, de estância climática e terapêutica para um dos destinos turísticos mais visitados do Brasil.

ainda não sei

O Boulevard Geneve é um complexo de lojas que emula vilas inglesas e alemãs. Em comum as lojas apresentam uma arquitetura do estilo enxaimel.

“Se você pode sonhar, você pode fazer” – Walt Disney

Era o ano de 1983, o empresário paulistano Lélio Gomes já estava financeiramente bem estabelecido graças a sua malharia Maison Genève e acabara de adquirir um terreno estreito na rua Djalma Forjaz, hoje a rua mais movimentada da cidade, mas na Campos do Jordão de 83 apenas uma rua esquecida da vila Capivari.

O empresário paulistano radicado em Campos do Jordão é o idealizador do Boulevard Geneve.

Lélio Gomes, o empresário paulistano radicado em Campos do Jordão é o idealizador do Boulevard Geneve.

Foi durante um passeio pelo estreito terreno que o empresário teve uma ideia: construir uma pequena vila europeia em Campos do Jordão.

“Eu estava com 40 anos. Cheguei a Campos do Jordão com 28, estava começando a vida, ganhei dinheiro e já estava em uma situação razoável. Então pensei: poxa quero fazer uma coisa bonita para a cidade que me acolheu”, conta Gomes.

Do estalo da ideia daquele passeio para o início das obras foi tudo muito rápido. Lélio Gomes chamou o amigo Mário Sérgio Pinto, recém-formado em engenharia, para conduzir a obra e os irmãos aspirantes a arquitetos Marcão e Betão (José Roberto Marques) para desenharem com ele a vila europeia.

Casa engraçada - Não tinha teto, não tinha nada. Mas tinha um sonho.

Casa engraçada – Não tinha teto, não tinha nada. Mas tinha um sonho. E o sonho era do tamanho do mundo.

A inspiração da arquitetura do prédio veio de um anúncio que Gomes havia visto em uma revista. Na foto estava uma loja da cidade de Blumenau em Santa Catarina, que exibia uma linda fachada construída em estilo enxaimel.

“Este estilo de construção está muito presente no sul da Alemanha, norte da França e na Inglaterra. Em 1400 e 1500 usavam o cerne das árvores para fazer a estrutura de madeira, enchendo os vãos com tijolos”, explica Gomes.

Apesar das casas apresentarem a mesma arquitetura, cada uma é decorada de maneira particular.

Apesar das casas apresentarem a mesma arquitetura, cada uma é decorada de maneira particular.

O estilo remetia à Idade Média, então logo o empresário decidiu que uma torre também deveria fazer parte do projeto. Sobre as fachadas pediu aos amigos que cada parede tivesse características próprias, como se tivessem sido construídas por diferentes famílias alemãs e inglesas.

Admirador de histórias medievais, o idealizador do Boulevard Geneve fez questão de incluir uma torre no projeto da vila europeia.

Admirador de histórias medievais, o idealizador do Boulevard Geneve fez questão de incluir uma torre no projeto da vila europeia.

A cada reunião do empresário com o amigo e os futuros arquitetos, Lélio chegava com uma foto diferente para inspirar a concepção do croqui final.

“Uma das fachadas foi inspirada na primeira farmácia construída em Viena. Outra foi copiada da foto de um castelo, próximo ao Windsor na Inglaterra. Teve também uma abadia italiana que inspirou a torre”, recorda o engenheiro Mário Sergio Pinto.

Certo é que os amigos conseguiram captar o sonho de Lélio e a muitas mãos e ideias foi desenhado o que seria hoje o Boulevard Geneve. Um prédio concebido pela gratidão de um empresário sonhador, um engenheiro recém-formado e dois irmãos desenhistas.

"Um sonho sonhado sozinho é um sonho. um sonho sonhado junto é realidade" -- Raul Seixas

Um sonho sonhado sozinho é um sonho. Um sonho sonhado junto é realidade” – Raul Seixas

“Você pode sonhar, criar, desenhar e construir o lugar mais maravilhoso do mundo. Mas é necessário ter pessoas para transformar seu sonho em realidade” – Walt Disney

Um inseguro engenheiro civil recém-formado deu inicio à obra, fez os cálculos que lhe cabiam e comandou o trabalho da fundação estrutural. A iniciativa era pioneira na cidade o que fez com que muitos olhos se voltassem para a obra, e isso aumentou ainda mais a pressão sobre o jovem engenheiro.

Um paliteiro -  A torre balançava muito por causa do vento. Mas 30 anos depois não balança mais, graças ao trabalho bem feito de um jovem engenheiro.

Um paliteiro – No início da construção a torre balançava muito por causa do vento. Mas 30 anos depois não balança mais, graças ao trabalho bem feito de um jovem engenheiro e seus operários jordanenses e catarinenses.

“Ah, deu um frio na barriga. Lembro que na época da construção da torre eu via aquelas madeiras apontadas para o céu, parecendo um paliteiro, e aquilo quando ventava balançava tanto! […] Ah eu morria de medo, mas foi nesta obra que eu aprendi de verdade a como trabalhar. Foi no dia a dia, no convívio com o pessoal do sul e os operários daqui de Campos”, conta hoje rindo Mário Sérgio, o engenheiro responsável pela obra.

O estilo germânico trazido pelos carpinteiros de Santa Catarina. Foto por Rodrigo Soldon.

O estilo germânico trazido pelos carpinteiros de Santa Catarina. Foto por Rodrigo Soldon.

Para erguer a estrutura de madeira foi contratada uma empresa de Santa Catarina, cujos carpinteiros responsáveis eram descendentes de imigrantes alemães, especializados no estilo enxaimel. Os catarinenses chegaram em duas carretas carregadas de madeira direto de Blumenau. Ao todo foram utilizados cerca de 50m³ de madeira. A maior obra em volume de madeira da empresa na época.

Janelas e jardineiras foram todas entalhadas à mão pelo mestre entalhador Ivan de Lima.

Janelas e jardineiras foram todas entalhadas à mão pelo mestre entalhador Ivan de Lima.

Já os detalhes em madeira da obra tem um toque local. Lélio Gomes e Mário Sérgio convidaram o entalhador Ivan de Lima para a empreitada. Juntos os três abriram uma serralheria e marcenaria. Todo o trabalho artístico das testeiras, janelas, portas e jardineiras foram entalhados manualmente. Cada desenho leva a assinatura de Lima, hoje considerado o principal mestre carver da cidade. E o trabalho chamou tanta atenção que na época representantes da família Marinho da Rede Globo o procuraram com uma proposta de trabalho. Proposta esta coberta por Gomes, o que garantiu a permanência do artista na cidade.

Primeiros passos

O nome Genève (Genebra) deu sorte ao empresário Lélio Gomes. Sua malharia com o nome da famosa cidade suíça lhe garantiu uma vida boa. Chegara a hora de retribuir ao mundo o sentimento de andar alegre pela vida, de devolver um pouquinho da sua Geneve particular, então surgiu a ideia do corredor de lojas ligando a Praça de Capivari à Rua Djalma Forjaz. Um corredor agradável que lembrasse uma simpática vila e que se confundisse com a paisagem da cidade, como se fosse mais uma rua, um boulevard. O Boulevard Geneve.

Gomes: “Um dia andando pelo terreno eu olhei de um lado, olhei do outro, e pensei: E se eu fizesse uma carreira de lojas de um lado e uma carreira de lojas do outro, eu acho que ficaria um negócio legal”. E ficou, e em 1985 a obra foi finalizada e o Boulevard Geneve já remetia às ruas de cidades alemãs como Freiburg e Baden Baden.

A gente é suspeito para falara, mas fala a verdade, é ou não é o lugar mais charmoso de Campos do Jordão.

O Boulevard Geneve é mais que uma galeria de lojas. O prédio já faz parte da paisagem de Campos do Jordão, serve de cartão postal e faz as vezes de passagem entre a Praça de Capivari e a Rua Djalma Forjaz. E a gente é suspeito para falar, mas fala a verdade, é ou não é o lugar mais charmoso de Campos do Jordão?!

Com o prédio pronto, o cuidado primoroso com os detalhes das fachadas de cada loja logo chamou atenção dos empresários da cidade. O prédio mal fora inaugurado e já se instalaram as primeiras lojas. Restaurantes como o Matterhorn e o Baden Baden escolheram o Boulevard para chamar de casa e desde o início se confundem com o prédio. Tamanha a afinidade.

Restaurante Matterhorn há quase 30 anos lado a lado com o Boulevard Geneve.  Na foto: Chalé a direita da torre.

Restaurante Matterhorn há quase 30 anos lado a lado com o Boulevard Geneve.
Na foto: Chalé a direita da torre.

“Foi amor à primeira vista”, declara José Vasconcelos Rosa, o Vasco, proprietário do restaurante e choperia Baden Baden.  Em meados dos anos 80 Vasco procurava um ponto para estabelecer um novo empreendimento na cidade. O local mais provável para isto seria a Avenida Macedo Soares, até então a rua mais frequentada pelos turistas, mas ao visitar a obra do Boulevard Geneve, o empresário mudou de ideia. E encantado pela arquitetura em estilo Enxaimel, muito comum na Alemanha, decidiu montar uma casa de gastronomia alemã. De lá para cá surgiu o chope Baden Baden e na esteira da vida as cervejas Baden Baden. Isso mesmo, até a primeira cerveja gourmet do Brasil indiretamente teve origem por causa do Boulevard Geneve. Sem o BG não existiria a choperia Baden Baden, e sem esta última não existiria a cerveja Baden Baden.

Baden Baden e Boulevard Geneve se confundem. É impossível olhar para um sem olhar para o outro. Aliás já tinha reparado no BG lá de cima da fachada do Baden ;)

Baden Baden e Boulevard Geneve se confundem. É impossível olhar para um sem olhar para o outro. Aliás já tinha reparado no BG lá de cima da fachada do Baden? 😉
A história completa do Baden Baden você pode conferir aqui.

Sobre Flores e Beleza arquitetônica

Hoje, com trinta anos de atividade o Boulevard Geneve é considerado um dos principais cartões postais de Campos do Jordão. A ideia da vila europeia deu certo e teve aprovação tanto dos lojistas quanto dos turistas, que fizeram do espaço um dos mais fotografados do Brasil. E hoje a arquitetura do Boulevard Geneve  tornou-se referência na cidade e está presente por toda Campos do Jordão.

NOITE DENI WILLIANS

O segredo do sucesso – Arquitetura e Flores
Foto por Deni Willians

Sobre o legado da sua vila europeia para a cidade o empresário Lélio Gomes diz: “Eu acredito que a contribuição do Boulevard Geneve para Campos do Jordão é que ele ajudou a criar uma identidade turística para a cidade. Uma identidade que combina muita flor e beleza arquitetônica”.

A declaração de Gomes é despretensiosa, mas consegue sintetizar aquilo que o filósofo Alain de Botton defende lá na abertura desta matéria: O fato de que nossa identidade está muito associada ao lugar em que vivemos, e junto dele nossa identidade se transforma.

A construção do Boulevard Geneve fez com que mais empresários se inspirassem em países de clima frio quando foram levantar suas pousadas, lojas, restaurantes e hotéis em Campos do Jordão. E sempre com um toque de flor, um cuidado paisagístico.

Shopping Cadij, exemplo de empreendimento inspirado pelo Boulevard Geneve.

Shopping Cadij, exemplo de empreendimento inspirado pelo Boulevard Geneve.

A arquitetura do Boulevard Geneve contribuiu para que Campos do Jordão se tornasse uma cidade mais bonita. Das casas aos prédios comerciais. As construções encantam pedestres e atraem olhares pelas janelas dos automóveis. Até as fachadas das agências bancárias de Campos do Jordão são bonitas. E isso, uma cidade bonita, se não facilita o viver, ao menos torna a vida mais bonita. E todo mundo gosta de coisas bonitas e flores.

Enfim se para o célebre escritor Oscar Wilde todo homem pode ser um pouco melhor no campo, para nós do Boulevard Geneve todo homem pode ser mais feliz em Campos do Jordão. E isso está diretamente ligado à natureza dos nossos campos e à arquitetura de nossa cidade.

***

Texto final: Gilmar Silva
Reportagem: Gilmar Silva e Cristiano Tomaz.

Trintão, mas sem crise

Siga-nos no Facebook e no Instagram – @boulevardgeneve

***

OFERECIMENTO

Logo BG 30 Anos

***

 

Padrão
Comer & Beber, Reportagem

Baden Baden: uma história de sucesso

Texto à la Time-out:

Ponto de encontro de milionários e beldades, a cidade é famosa pela reputação gastronômica, medicinal e cultural. Envolta pela natureza, com uma arquitetura graciosa e vida noturna agitada consegue agradar diferentes perfis de turistas. E estes costumam visitar a cidade principalmente no mês de julho. Com suas festas pomposas e uma elegância sem igual, a cidade tornou-se sinônimo de exclusividade, beleza e estilo de vida luxuoso.  

Pensou em Campos do Jordão? Pensou errado.

O texto acima é uma adaptação do texto oficial do Ministério do Turismo Alemão para a cidade de Baden Baden. Mas entendemos perfeitamente se você pensou na nossa querida Campos do Jordão. A mesma lembrança tomou a cabeça do empresário José Vasconcelos Rosa, o Vasco, lá nos anos 80 enquanto pesquisava nomes para batizar sua choperia e restaurante de comida alemã .

As bandeiras do Brasil e do histórico Estado de Baden, onde fica localizada a cidade de Baden Baden.

As bandeiras do Brasil e do histórico Estado de Baden, onde fica localizada a cidade de Baden Baden.

Senta que lá vem história…

Era a segunda metade dos anos 80, Campos do Jordão vivia uma retomada turística e Vasco procurava um ponto para estabelecer um novo empreendimento na cidade. O local mais provável para isto seria a Avenida Macedo Soares, até então a rua mais frequentada pelos turistas, mas ao visitar a obra do Boulevard Geneve, o empresário mudou de ideia. Nas palavras do próprio Vasco foi “amor à primeira vista”. E encantado pela arquitetura em estilo Enxaimel, muito comum na Alemanha, decidiu montar uma casa de gastronomia alemã.

Um casamento perfeito - Baden Baden e Boulevard Geneve se misturam. Não tem como visitar um, sem olhar para o outro. Aliás, já tinha reparado no BG lá de cima da fachada? ;)

Um casamento perfeito – Baden Baden e Boulevard Geneve se misturam. Não tem como visitar um, sem olhar para o outro. Aliás, já tinha reparado no BG lá de cima da fachada? 😉

Já envolvido pelas pesquisas para batizar o restaurante, Vasco se deparou com Baden Baden. E da constatação das características em comum entre a cidade alemã e Campos do Jordão surgiu o nome do restaurante mais famoso da nossa cidade, e hoje uma das choperias mais famosas do Brasil.

Da escolha do nome até hoje já são 30 anos de história e o Boulevard Geneve é testemunha dessa linda trajetória que veio culminar no prestigiado chope Baden Baden e na premiada cerveja gourmet de mesmo nome, lançada em 2001. E a história por trás do chope e da cerveja Baden Baden a gente revela para você agora.

O Chope

O irresistível chope Baden Baden

O irresistível chope Baden Baden

Apesar de estar bem localizada entre São Paulo e Rio de Janeiro, Campos do Jordão por estar a 1700m de altitude e não ser caminho para nenhuma outra cidade, a não ser ela mesmo, era considerada fora de mão, um problema de logística para a maioria das marcas de cerveja. Eram os anos 90 e Campos não contava com muitos bares e choperias.  Logo o abastecimento de chope na cidade muitas vezes era prejudicado. Por isso o Baden Baden depois de alguns problemas amadureceu a ideia de abrir uma cervejaria própria e servir um produto personalizado. Se deu certo? Hoje o chope Baden Baden é tão prestigiado que a Choperia recebe pessoas que saem de São Paulo ou de cidades vizinhas apenas para tomar um chope. E a qualidade do chope é tão grande que já fez  um grupo de motoqueiros de Belém do Pará se deslocar do norte do país até Campos em suas motos com um único objetivo segundo eles mesmos: tomar um chope no Baden.

A Cerveja

A tradição irlandesa marca presença na Baden Baden Stout

Baden Baden Stout – De tradição irlandesa, a Stout  foi uma das primeiras cervejas Baden Baden

A Cervejaria Baden Baden nasceu da ideia de Vasco e  mais três amigos, Aldo Bergamasco, Alberto Ferreira e  Marcelo Moss. Em 1999 eles inauguraram a fábrica e no ano 2001 após o sucesso do chope e depois de testarem várias receitas, surgiu o trio de ouro: as cervejas Cristal, Bock e Stout. O sucesso foi tamanho que a microcervejaria chamou atenção da Kirin, gigante do mercado mundial de bebidas, que por intermédio da sua subsidiária Brasil Kirin, adquiriu a cervejaria Baden Baden em 2007. Em números esse sucesso pode ser medido e conferido em 13 rótulos diferentes e 14 prêmios conquistados, entre eles o aclamado European Beer Star.

O melhor lugar para se tomar uma Baden

Sucesso - A qualidade do chope e das cervejas Baden Baden garantem movimento o ano inteiro. No Baden Baden não há problemas de sazonalidade, sempre há alguém sentado nas tradicionais mesinhas da calçada e o serviço é sempre primoroso.

A qualidade do chope e das cervejas garantem movimento o ano inteiro. No Baden Baden não há problemas de sazonalidade, sempre há alguém sentado nas tradicionais mesinhas da calçada e o serviço é sempre primoroso.

E o restaurante Baden Baden segue sendo o melhor lugar para degustar a cerveja que leva o seu nome. Quase 30 anos de experiência forjaram uma expertise notória na arte de servir cervejas e harmoniza-las apropriadamente com diferentes culinárias. Confira abaixo algumas dicas de harmonização da Cerveja Baden Baden com  pratos do restaurante.

Prato principal – O famoso chucrute do Baden Baden se sobressai com uma Baden Baden Red Ale.

Prato principal - O famoso chucrute do Baden Baden se sobressai com uma Baden Baden Red Ale.

Prato principal – O famoso chucrute do Baden Baden se sobressai com uma Baden Baden Red Ale.

baden 4 medalhão

Prato principal – O filé mignon tem na Baden Baden Golden uma poderosa aliada para explorar o seu sabor.

Comidinhas - A linguiça de metro recheada com queijo pode ganhar a companhia da Baden Baden Stout.

Comidinhas – A linguiça de metro recheada com queijo pode ganhar a companhia da Baden Baden Stout.

Comidinhas - O tradicional bolinho de bacalhau vai muito bem com a dupla Baden Baden Weiss ou Cristal.

Comidinhas – O tradicional bolinho de bacalhau vai muito bem com a dupla Baden Baden Weiss ou Cristal.

Sobremesa - O contraste do apfelstrudel com chantilly combinado com a Baden Baden Golden surpreende.

Sobremesa – O contraste do apfelstrudel com chantilly combinado com a Baden Baden Golden surpreende.

Sobremesa – Doces que levam chocolate podem ser apreciados com uma Baden Baden Stout.

***

Para mais dicas de harmonização, acesse:

Acerte na escolha da sua cerveja neste inverno, clique aqui.

Facebook da cervejaria Baden Baden –www.facebook.com/cervejabadenbaden

Para mais informações sobre o restaurante Baden Baden, acesse:

www.obadenbaden.com.br

***

OFERECIMENTO

Logo BG 30 Anos

***

 

Padrão
arquitetura de Campos do Jordão
Cultura, Reportagem

A arquitetura de Campos do Jordão

O prestigiado arquiteto brasileiro Jorge Wilheim, falecido este ano, certa vez em uma conversa com o arquiteto jordanense José Roberto Damas Cintra, disse: “Campos do Jordão não tem um estilo de arquitetura definido, tem um jeitão.” Definições genéricas como arquitetura em estilo alpino ou arquitetura suíça, não zeram o debate quando o assunto é qual é o estilo arquitetônico da cidade. A verdade é que Campos do Jordão reúne uma variada mistura de padrões arquitetônicos trazidos de fora do país após a segunda guerra  mundial e intensificada a partir do boom turístico do final dos anos 80, quando o mercado da construção local passa a se inspirar ainda mais na arquitetura de países de clima frio.

Telhados agudos de caimento íngreme. Característica marcante da maioria das construções de Campos do Jordão.

Telhados agudos de caimento íngreme. Característica marcante da maioria das construções de Campos do Jordão.

Mas dentro dessa mistura de padrões, alguns se sobressaem conforme veremos neste post. Basicamente são eles: Chalés Suíços, Estilo Normando, Enxaimel e o estilo local dos Chalés de Pinho jordanense. Conheça o “jeitão” da arquitetura de Campos do Jordão.

Chalés Suíços

Estilo comum  das casas de campo dos alpes suíços, geralmente erguidas em madeira, com telhado de grande caimento e beirais avançados. Sua releitura para obras contemporâneas apresenta, geralmente, dois pavimentos, telhado com duas águas, sacada frontal ou pórtico com balaustrada de volutas, ornamentos de madeira, tabeca de tábua e mata-junta ou estuque ornamentado.

Casa no estilo típico chalé suíço. Atenção para o telhado que desce até o chão.

Um típico chalé suíço em Campos do Jordão. Atenção para o telhado que desce até o chão.

Obra assinada pelo escritório de arquitetura Tadeu Sales, em Campos do Jordão. O telhado já não chega até o chão, mas mantém uma inclinação de 75°.

Obra assinada pelo escritório de arquitetura Tadeu Sales, em Campos do Jordão. O telhado já não chega até o chão, mas mantém uma inclinação de 75%.

Uma releitura moderna de chalé suíço, em Campos do Jordão. Obra do escritório Damas Cintra.

Uma releitura moderna de chalé suíço, em Campos do Jordão. Obra do escritório Damas Cintra.

Estilo Normando

Trata-se de uma construção assimétrica originária das casas de campo da região da Normandia na França, muito comum nos anos 30. As construções costumam apresentar telhado cônico e íngreme, paredes de alvenaria mista de tijolos e pedra, estuques e anela com várias vidraças.

Fachada do hotel Vila Inglesa, fundado em 1947.

Fachada do hotel Vila Inglesa, fundado em 1947.

Fachada do hotel Orotour, antigo Hotel dos Lagos, fundado originalmente em 1945.

Fachada do hotel Orotour, antigo Hotel dos Lagos, fundado originalmente em 1945.

Chalé de Pinho Jordanense

Construídos entre os anos 20 e os anos 40 os chalés de pinho jordanense são típicos de Campos do Jordão. A obra consiste em chalés erguidos de pinho local sobre pilares de alvenaria, pedras ou até madeira como a aroeira. Por ser elevado do chão o porão é mais arejado, excelente para o armazenamento de lenha. Dependências como banheiro e cozinha são de alvenaria. Bem preservados os chalés de pinho jordanense até hoje servem de residência para milhares de moradores da cidade.

A vila Ferraz é um bairro que abriga muitos chalés de pinho jordanense. A maioria construídos nas décadas de 1920 e 1940.

A vila Ferraz é um bairro que abriga muitos chalés de pinho jordanense. A maioria construídos nas décadas de 1920 e 1940.

Enxaimel

O estilo arquitetônico enxaimel remete a edifícios europeus e norte-americanos dos séculos XVI e XVII. O estilo chama a atenção pela mistura de elementos.

Um casamento perfeito. Baden Baden e Boulevard Geneve se misturam. Não tem como visitar um, sem olhar para o outro. Aliás, já tinha reparado no BG lá de cima da fachada ;)  foto: Panoramio

Boulevard Geneve – O estilo Enxaimel é o mais presente no centrinho turístico da vila Capivari. foto: Panoramio

A técnica do enxaimel chegou ao Brasil por meio de imigrantes alemães, que se instalaram principalmente no sul do País. Sua técnica de construção consiste em levantar primeiro o esqueleto das casas, usando grossas toras de madeira. Assim são montadas vigas verticais, horizontais e inclinadas, para manter a sustentação. Depois de pronta a armação, os espaços são preenchidos com materiais típicos de cada região. No Brasil usou-se principalmente taipa, tijolos maciços, pedra e barro.

Um "eu te amo" com esse plano de fundo fica muito mais gostoso. Um "casa comigo" então, inesquecível. Foto por Cristiano Tomaz.

O corredor da torre do Boulevard Geneve  lembra uma vila europeia. Apesar das casas apresentarem a mesma arquitetura, cada uma é decorada de maneira particular. Foto por Cristiano Tomaz.

O primeiro espaço a adotar esta arquitetura em Campos do Jordão foi o Boulevard Geneve. Muito presente em filmes medievais, o enxaimel chamou a atenção do empresário paulistano Lélio Gomes, que após algumas pesquisas, escolheu este estilo para construir sua galeria de lojas.

“Este estilo de construção está muito presente no sul da Alemanha, norte da França e na Inglaterra. Em 1400 e 1500 usavam o cerne das árvores para fazer a estrutura de madeira, enchendo os vãos com tijolos”, explica o empresário Lélio Gomes, idealizador do empreendimento em Campos do Jordão.

Marco histórico de Campos do Jordão, o Boulevard Geneve é um dos pontos turísticos mais fotografados da cidade.

Marco histórico de Campos do Jordão, o Boulevard Geneve é um dos pontos turísticos mais fotografados da cidade.

O projeto idealizado por Lélio previa que a construção representasse uma pequena vila. Assim cada parede deveria ter suas características próprias, como se tivessem sido construídas por famílias alemãs ou inglesas.  Uma das fachadas foi inspirada na primeira farmácia construída em Viena. Outra foi copiada da foto de um castelo, próximo ao Windsor na Inglaterra.

Uma empresa de Santa Catarina deu início à construção do Boulevard Geneve,  trabalhando com duas carretas de madeira chegadas de Blumenau. Já os detalhes tem um toque local, ficaram a cargo de um artesão de Campos do Jordão, que trabalhou nas testeiras de todo o prédio, entalhando manualmente cada desenho.

A gente é suspeito para falara, mas fala a verdade, é ou não é o lugar mais charmoso de Campos do Jordão.

A gente é suspeito para falar, mas na boa, é ou não é o lugar mais charmoso de Campos do Jordão?

Inaugurado em 1985 o Boulevard Geneve completou 30 anos em 2015. A ideia da vila europeia deu certo e teve aprovação tanto dos lojistas quanto dos turistas, que fizeram do espaço um dos mais fotografados do Brasil.

Hoje a arquitetura do Boulevard Geneve  tornou-se referência na cidade e está presente em grande parte das regiões turísticas de Campos do Jordão.

***

Texto final: Gilmar Silva

Reportagem: Gilmar Silva e Cristiano Tomaz

***

OFERECIMENTO

Logo BG 30 Anos

***

Padrão
o melhor clima do mundo
Natureza, Reportagem

O melhor clima do mundo

Respire fundo. O ar que você acaba de inalar fez você se sentir mais calmo?

Em Campos do Jordão a resposta invariavelmente para essa pergunta é um sim. A cidade, localizada na Serra da Mantiqueira, é cercada pela natureza. Florestas nebulares, matas de araucárias e campos de altitude são os principais biomas que envolvem a cidade.

Adicione à natureza privilegiada um clima frio e seco, aliado a altos índices de dias claros e uma oscilação de temperatura média entre as estações, de 8° graus, e você tem aquele que muitos consideram o melhor clima do mundo.

foto: Lucia Barreiros

foto: Lucia Barreiros

Mas em tempos de campanhas de marketing milionárias e muito jabá, é natural que muitas pessoas desconfiem de títulos como esse. Uma busca no google pela cidade com o melhor clima do mundo resulta em milhares de resultados, alguns pertinentes outros um tanto duvidosos. Mas o mais curioso é que os resultados das primeiras páginas apresentam cidades se auto intitulando como a segunda ou então terceira cidade de melhor clima do planeta. Dificilmente a primeira. A validade de tais títulos também é suspeita, pois na maioria dos casos falta uma certificação oficial, de alguma instituição séria de pesquisa climática. Fato é que mensurar o melhor clima do mundo é tarefa árdua, que envolveria muitas variáveis.

Região da Parada Grande Hotel. Foto por Gil Renno.

Região da Parada Grande Hotel, Vila Capivari. Foto por Gil Renno.

A afirmação de que Campos do Jordão tem o melhor clima do mundo é controversa e pode até soar pretensiosa, mas tem sólidos motivos para existir. A cidade já foi alvo de um criterioso estudo nos anos 50. No Congresso Internacional de Climatologia, realizado em Paris, em 1957, o clima de Campos do Jordão foi considerado o melhor do mundo. Na ocasião o teor de oxigenação e ozônio de Campos do Jordão foi considerado superior ao de Chamonix, famosa estância francesa, pela pureza de seu ar.

Presença de liquens no tronco da araucária.

Detalhe para a formação de liquens no tronco da araucária.

Outro ponto a favor de Campos do Jordão é a presença massiva de liquens em nossas matas. Os liquens são uma espécie de fungo parasita(mas um parasita do bem, fazem bem para o meio ambiente) que se instalam em árvores, pedras e no solo. São extremamente sensíveis a alterações ambientais, por isso são considerados os melhores bioindicadores de níveis de poluição aérea.  A presença de liquens sugere baixo índice de poluição, enquanto seu desaparecimento sugere agravamento da poluição ambiental.

Presença de líquem em solo de mata nebular. Foto por George Shepherd.

Presença de líquem em solo de mata nebular. Foto por George Shepherd.

Obviamente, como dito anteriormente, a aferição da qualidade do clima apresenta muitas variáveis, mas não há como negar que Campos do Jordão detêm um clima privilegiado. Sabemos que muitas outras cidades pelo mundo apresentam excelentes condições climáticas. Sabemos também que outras cidades brasileiras são ótimos destinos por causa do clima. Mas se muitas destas estão em dúvida sobre se são o segundo ou terceiro melhor clima do mundo, quer dizer que o primeiro lugar está vago. Quem quiser pode se sentir confortável para colocar Campos do Jordão neste posto. Um título internacional, conferido por climatologistas, e os liquens nos legitimam.

Linha

Contém ar puro

Já para nós do Boulevard Geneve,  é o bastante, e muito nos honra, que a cidade continue sendo apontada como a melhor estância climática do Brasil. Porque como diz a capa da revista mais importante de Campos do Jordão, nossa cidade “Contém Ar Puro”. E para qualquer resquício de dúvida, basta olhar a linha do horizonte de qualquer parte de Campos. Ou então, uma vez na cidade, respirar bem fundo. Contra sensações de bem estar não há argumentos.

***

 OFERECIMENTO

Logo BG 30 Anos

***

Padrão
Reportagem

O frio chegou

O auge do outono acontece em maio e Campos do Jordão já se beneficia das belíssimas paisagens que a estação proporciona à cidade. As folhas secas dos plátanos e dos liquidâmbars em suas múltiplas tonalidades colorem as avenidas e ruas de Campos proporcionando uma cartela de cores toda particular desta estação do ano, à qual o poeta e escritor português, Antero de Figueiredo, se referia como “os outonos luz de ouro”.

O Liquidâmbar começou a ser plantado em Campos do Jordão nos anos 60, no Horto Florestal.

Em Campos do Jordão os outonos tem essa “luz de ouro”, uma luz natural que encanta turistas e amantes da fotografia. E se em outras partes do mundo o outono simboliza uma estação de seca e recessão econômica, em Campos acontece o oposto, a cidade se renova com as paisagens bucólicas das árvores peladas e das folhas caídas e esvoaçantes, fenômeno que prenuncia o inverno e antecede o frio, tão bem vindo à nossa cidade.

O Plátano foi trazido para Campos do Jordão no final dos anos 40.

“O frio é um dos grandes responsáveis pelo sucesso de uma boa temporada de inverno. Se faz frio mais turistas sobem a serra. Eu vendo mais roupas, mais pessoas procuram os hotéis, mais restaurantes lotam, mais serviços de outras naturezas são requisitados, mais trabalhadores são contratados. O frio só faz bem para a cidade”

A afirmação acima é de Josiane Fátima da Silva, empresária do ramo varejista. E se depender do critério apontado por ela, os comerciantes da cidade já podem vislumbrar uma boa temporada de inverno em 2014. Isso porque os bons ventos do outono já nos proporcionam um mês de maio mais frio em comparação com o ano passado, de acordo com dados do CPTEC INPE.

Vem, frio. Pode chegar.

Comparando as médias registradas em maio de 2013 com as previsões de tempo para maio de 2014, Campos do Jordão começou os trabalhos para a temporada de inverno com o pé direito.  Se em 2013 a cidade registrou em maio uma média de temperaturas mínimas na casa dos 10°, para 2014 a média mínima prevista para o mesmo mês é de 7°.

A julgar pelo mês de maio, turistas e moradores de Campos do Jordão, podem ficar otimistas e esperar por uma temporada de inverno de bastante frio, com temperaturas abaixo dos 10°.

E as previsões do Instituto ainda vislumbram uma nova onda de frio, de moderada a forte, que  deve atingir o Centro-Sul do Brasil após o dia 20 de maio, com maior poder de resfriamento e maior possibilidade de provocar geadas no país.

Sendo assim, cruzemos os dedos para que a temperatura caia mesmo para esta temporada de inverno. E bom friozinho para todos!!!

______________________________________________

Padrão